Sorriso que se perde em meio a tanta lágrima recolhidas, guardadas em um canto escuro do meu peito. Onde deixei meu riso se perder? Quando abri brechas para essa infinita tristeza? A dor que não é suprida nem por amores familiar, a dor que me matava um pouco a cada dia. Como você chegou aqui? Quando foi que você conseguiu tomar conta de mim sem que eu percebesse? Este é o primeiro sinal da depressão…

Sem me deixar perceber, aos poucos, a depressão deixava o meu sorriso cheio de dor e fazia minhas lágrimas caírem do nada, em qualquer lugar. Como foi que a depressão conseguiu me dominar? Certo dia, cheguei na empresa e simplesmente não conseguia entrar porta adentro. Um pavor tomou conta de mim. Voltei pra casa e liguei para minha mãe que morava 300km distante, para conversar e pedir ajudar. Ela ficou comigo no telefone até que eu desliguei e peguei no sono. Os episódios de pânico só foram aumentando, eu não entendi porque sentia tanta dor sem estar machucada visivelmente. Comecei a ter crises de choro, ficava triste do nada. Após uma série de acontecimentos na minha vida, desmoronei. Tudo começou dentro do meu relacionamento abusivo, tive várias crises. Foi na fase do rompimento que as coisas ficaram insustentáveis. Eu não saía, não conversava…

Lembro do período em que só pensava em suicídio. Inclusive, tentei me matar uma vez, tomei comprimidos para acabar com a dor. Até que me consultei com um psiquiatra que usou uma combinação de medicamentos associada à psicoterapia. Após uma grande decepção, fui acometida por uma nova crise de ansiedade e depressão que durou um ano. Nesse período quase desisti de viver. Minha saúde ficou em péssimas condições e eu ganhei bastante peso. Tinha insônia e ataques de pânico. Tentava me adaptar às terapias, que no início, mais pareciam prejudicar do que melhorar. Os remédios passados pelo meu psiquiatra faziam com que eu perdesse o controle sobre minha própria mente. 

Foi um ano difícil, de passos lentos, mas a melhora de fato chegou quando aliei os remédios a uma recuperação espiritual. Tudo ficou mais favorável quando escrevi a minha história. Mas a depressão é como um vício: de certa forma, você vive um dia de cada vez. À medida que fui melhorando, a minha vida foi adquirindo cor, sabor, felicidade… Hoje me mantenho estável com um antidepressivo apenas. Eventualmente trabalho a minha dor com autoanálise. É preciso salientar que não existe cura para a depressão. Existe controle. Não se pode abandonar o tratamento, pois uma recaída pode ser fatal. Nunca mais quis morrer. Só quero viver e ser feliz.

Uma das indicações mais específicas da depressão é a tristeza, que não passa facilmente, não melhora e dura muito tempo, não sendo relacionada com um evento específico e atual. Além disso, é muito comum apresente medo, perda de interesse pelas atividades diárias e apatia. Você já deve ter visto alguém que não quer se levantar da cama, não tem ânimo para sair de casa ou sequer tomar banho. São circunstâncias que merecem um olhar mais aguçado, assim como baixa autoestima, pensamentos suicidas, insônia, compulsão ou perda de apetite, pessimismo, sentimentos de culpa, baixa libido e assim por diante…

Se você está passando por isso, não tenha vergonha, não tenha medo. É extremamente importante procurar ajuda profissional.

Susete Pasa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *