E nos últimos anos eu não estava desinformada a respeito de relações abusivas, violência de gênero ou de qualquer outra variável envolvida na equação. Eu lia, e nas minhas prateleiras já moravam Adichie, Roxana, Beauvoir, entre outros tantos. Porém, nada disso foi suficiente para conter meu impulso irracional de permanecer. Eu sabia de cor e salteado todo o roteiro: afastamento de amigos e família, ciúme exacerbado, gaslighting, machismo velado, ameaças, os ciclos de conciliação-conflito-perdão. Então, droga, por que eu, toda munida de conhecimento, não conseguia ir embora desse inferno? E quem está de fora não consegue compreender, porque realmente não faz sentido. Mas existe uma infinidade de coisas na cabeça de uma vítima, ninguém entende esta dinâmica que se instauram numa relação dessas. Psicologicamente falando, abusadores tem perfis muito claros, com problemas emocionais que não conseguem expressar, por isso que apelam para a violência. Mas não é bem assim. O abuso não é imediato, é muito mais tarde. O homem abusivo começa o relacionamento sendo extremamente atencioso, carinhoso, presente e dedicado (e é por este que a gente se apaixona tão forte). Aos poucos, ele cerceia a vítima, lhe afastando de amigos e família, e com as mais variadas desculpas. O algoz, usa as demonstrações exageradas de afeto pra te convencer que nunca ninguém na sua vida vai te amar do jeito que ele te ama. Te convence que você vai perder sua chance de ser feliz se algum dia largá-lo. É tudo tão maluco, e ouvir sempre ele racionalizando o meu comportamento usando de psicologia inversa, não tem como não adoecer. O pior é que ele percebe o seu sofrimento, sempre diz querer te ajudar, se mostra solidário e compreensivo. Neste ponto, ele ja tem a segurança no sentimento do que você nutre por ele, usar todo o carinho, a atenção e o afeto, como poder de barganha pra manter você sob controle, fazendo exatamente aquilo que ele quer. Funciona como reforço positivo. Se você sai da rédea curta, surge um conflito. Pronto, chegamos à fase em que os ciclos de abuso se instauram de forma sólida. Então mulher, tome muito CUIDADO. Nem sempre quem lhe estende a mão quer o seu bem.
Susete Pasa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.