A traição em um relacionamento é um dos momentos (se não o pior) mais difíceis de aceitar e superar. A condição de um problema emocional e psicológico pode ser ativado justamente com o sentimento de perda. Perdoar uma traição ou não? Essa é uma dúvida muito comum em quem passa por essa situação tão delicada. Mas, será que é possível, verdadeiramente, perdoar? 

A traição machuca. As emoções que surgem após a descoberta da infidelidade podem causar estragos enormes no emocional. A traição simboliza quebra de confiança e ausência de respeito com o próximo. A traição é sempre acompanhada de muita dor e tristeza para o traído. Os sentimentos de negação acarretam em uma profunda tristeza, em que parece impossível de ser superada. 

Dúvidas e incertezas passam a assombrar a mente da vítima, tornando-a prisioneira da infelicidade. É normal, neste momento, surgirem reações violentas “involuntárias”. Além disso, uma traição amorosa pode levar a pessoa a sofrer transtornos psicológicos, como a depressão. Desta forma, estes traumas violentos desencadeiam processos mentais e emocionais difíceis de lidar. O processo de superação e de cura da traição tende a ser longo para a maioria das pessoas. Porém, dificilmente é feito sem muita dor emocional. 

É compreensível sentir raiva no momento da descoberta, e muitas mulheres sentem culpa. A pessoa traída começa a pensar se não fez algo para afastar o parceiro, se não criou expectativas altas demais para o relacionamento, causando a situação desagradável. Em nossa sociedade, o pensamento que o “homem pode trair quando quiser” ainda circula entre alguns indivíduos, famílias e comunidades. Essa forma de pensar tem raíz em crenças como “o homem é um ser mais sexual que a mulher”, ou, “o homem procura fora o que não encontra em casa”. Dessa forma, a infidelidade masculina é mais aceita por mulheres que pensam assim. (Infelizmente eu pensava assim…) 

A aceitação dá a entender que tudo bem se o parceiro trair. Perdoar não é o mesmo que conceder permissão ao parceiro para trair ou aceitá-lo de volta em sua vida. O perdão beneficia quem foi traído, porque promove a libertação de emoções e de sentimentos desagradáveis, os quais fortalecem o desapego. 

Ser traído certamente não diminui as oportunidades de reencontrar o amor em outra pessoa. O caminho para a recuperação do trauma dependerá das reações imediatas e do comprometimento com a sua busca pela saúde mental e emocional. Curar uma ferida pode ser difícil, mas não é impossível. Se possível, busque ajuda de uma psicóloga, ela te dará todo o suporte para essa situação e fará você tomar as decisões e ações que são realmente acertadas. 

Perdoar ou se afastar? Confrontar ou se abster? 

Essas e outras dúvidas devem ser respondidas com toda honestidade, pois você deve fazer aquilo que verdadeiramente lhe faz feliz. Eu, particularmente, não daria uma segunda chance, pela minha experiência o melhor é se afastar da pessoa que quebrou sua confiança. O verdadeiro traidor, não trai apenas uma vez, isso é questão de caráter. E você? Daria uma segunda chance?

Susete Pasa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *